“We are like roses that have never bothered to bloom when we should have bloomed and it is as if the sun has become disgusted with waiting”.

22
Mai 13


Estava a gostar das conversas que tinha com ele, gajo interessante, para onde é que ele foi?

Se calhar foi porque lhe disse que não achava piada ao BD²S²M, piada é pouco, acho ridículo, se calhar ainda mais que ridículo mas isso daria uma longa conversa, conversa essa que não me apetece ter agora. Pior, é quando se vê esta cena associada a certas subculturas só porque há o negro em comum, nada mais errado quando nessa mesma subcultura a liberdade de dois seres se olharem ao mesmo nível é imprescindível, pronto bacano, não posso fazer nada, como diria o Lord de terras nenhumas: práticas hospitalares…

Disse-lhe que, às vezes, me odeio à la Cobain e que preciso de me castigar, se calhar foi isso que o assustou, caricato, se calhar tomou-me a pulsação e pensou que era uma cortadora de pulsos ou alguma merda similar, claro, que se me conhecesse saberia que alguém que desmaia até em mesas de café se a conversa desalinha para essas bandas, ou que nem sequer consegue medir a tensão arterial sem cair para o lado, só poderia estar a falar de castigos no sentido primário da palavra.

Era outra coisa sim, deixa-me explicar.

Há dias em que está muito frio, então uso apenas uma blusa, está a chover muito, não abro o guarda-chuva (às vezes faço-o por prazer), depois há as ocasionais intoxicações até não saber onde estou, ou a conquista e o envolvimento com pessoas de quem não gosto e, às vezes, nem sequer desejo.

Há, também, as ocasionais violências controladas em comportamentos rotineiros, nada de mortes pequenas e imundícies.

O que mais prezo em mim é o cabelo, prezar é dizer pouco mas se falarmos de castigos, este estaria no top five, há um ano, mais ou menos, as coisas andaram um pouco mais negras do que o costume, saúde principalmente e eu precisava de uma fresta, estás a ver aquela cena que se faz nos filmes quando não há tempo, nem hospitais e se precisa de atalhar a respiração e vai logo com uma bic?

Ora aí está, moi estava a entrar em ebulição, demasiados pecados, madeira demasiado pesada, a da cruz que o Supremo me pôs às costas digo, e lá vem o castigo.

Casa-de-banho, tesouras, cabelo seco, preso e penteado, para ofender mais, e zás!

Lá ficou pelo meio das costas, para ti pode não parecer castigo mas se me conhecesses saberias o quanto de desconsideração este acto estava pejado.

Bem, na verdade, senti-me bem, mais ou menos como se tivesse matado, como se eu fosse duas e estivesse a rir de mim mesma, que se fodesse, é o lema, porque essa ira permitiu-me respirar.

Eram estes os castigos de que falava, limpos e requintados.

E, agora, nem de propósito, um docinho para vossa mercê, parece que foi escrita para si, hã?

 

Am I still tough enough?

Feels like I’m wearing down

Is my viciousness

Losing ground?

Am I taking too much?

Did I cross a line?

I need my role in this

Very clearly defined

I need your discipline

I need your help

I need your discipline

 

You know once I start I cannot help myself

And now it's starting up

feels like I'm losing touch

Nothing matters to me

Nothing matters as much

I see you left a mark

Up and down my skin

I don't know where I end

And where you begin

I need your discipline

I need your help

I need your discipline

You know once I start I cannot help myself

Once I start I cannot stop myself

  

Discipline lyrics by N.I.N./Letra dos N.I.N.

publicado por Ligeia Noire às 13:33

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
17
18

19
20
21
23
25

28
30
31


Fotos
pesquisar
 
arquivos
subscrever feeds