“We are like roses that have never bothered to bloom when we should have bloomed and it is as if the sun has become disgusted with waiting”.

02
Jul 13

 

Estava a recomendar-lhe a versão do quarteto de cordas da Join me in death numa de gozo mas se casasse, não haveria dúvidas de que era com essa que entrava, o romantismo levado ao extremo, junta-te comigo na morte porque em direcção ao altar eu caminho, dizem no oriente que a morte traja de branco, há velas e flores, Cristo de sangue ungido nas mãos e pés, tu vestes de negro e levas violetas na lapela, punhos e cravat de renda branca, despediríamo-nos assim, ali, da vida e que a morte me abençoasse contigo.

Talvez tirasse de lá as pessoas, as pessoas não fariam falta, a menos que fossem outro tipo de pessoas.

O Valo explicava, aquando do boom que foi o Razorblade Romance, que a canção não era sobre o suicídio mas uma versão moderna da estória de Romeu e Julieta, a minha amiga diz que o organista provavelmente não a saberia tocar… ela escolheu três músicas e perguntou qual era a minha favorita, o cânone em ré maior do Pachelbel claro, não conhecia o gajo mas quem não conhece o tema?

Agora que estou metida nisto fico surpreendida com o protocolo e os rituais que proliferam na cerimónia.

É que há várias composições de Mendelssohn, Händel, Bach, Beethoven ou Verdi para cada momento, há para a entrada das Damas de honor, para a entrada da noiva, para a saída do altar dos noivos, para a saída do altar dos convidados… uma profusão de rituais simbolistas admirável.

Também me falava de que queria que fosse cantado o Avé Maria, sim esse do Schubert, na altura da troca das alianças, o que irá acontecer porque como fazia parte do grupo coral, há um tenor que irá proporcionar o momento, o restante enlace será acompanhado por vozes e piano dos restantes elementos, só espero que não esteja demasiado calor, porque isto de desmaiar lá à frente é coisa que ainda não experimentei.

Trabalhei no Domingo até meio da tarde, o calor era tanto que não sabia se me apetecia saltar do primeiro andar ou atirar a outra e dormir um sono depois.

Ainda por cima, pedi ao meu irmão para me ir buscar e a meio do caminho o carro avariou… resultado: fiquei a conhecer melhor a namorada dele, enquanto ambas riamos nervosas ao contemplar o que ele e os amigos magicaram: rapinar uma corda de um portão para rebocar o carro com o carro de um deles, se não morri de ataque cardíaco já não morro.

Falta uma semana e estou nervosa, ando para aqui a falar de casamentos e trabalho e calor, ando às voltas e voltinhas e ignoro e ignoro e reparo que hoje não há metáforas, nem parágrafos barrocos, é só trivialidades e menoridades.

As coisas em que eu me enovelo, Jesus Cristo.

Voltemos às menoridades, eu não me apoquento com estas coisas: viagens, trabalho, dinheiro, casa, carro, família, ela foi lá passar o fim-de-semana, disse-me que a nossa prezada estava bem na vida, que a casa era maravilhosa etc. e tal confesso que a princípio fiquei um pouco confusa, a hesitação (Hesitation Marks ah ah ah) quis entrar mas foi só isso, somos diferentes, eu admiro-a, somos diferentes e pronto, avaliei, pactuei, brinquei com ela, tentei parecer-lhe o mais normal e comum possível nas observações que fazia mas na realidade mandem-me para Tóquio, eu visto aquelas saias rodadas pretas e atiro-me de um arranha-céus com um sorriso oco no rosto.

É por dentro que os fios têm de estar ligados, é por dentro que têm de fazer sentido, por fora só me interessam a roupa e os sapatos enlaçados.

Às vezes, ainda me ocorre pedir a um gajo muito mau e poderoso que me salve e me coloque no berço mas são apenas desejos iguais aos dos chocolates ou dos sapatos pretos de correias que comprei hoje: fomes.

A Join me in death, lembro-me bem…  andava para aí no segundo ano do curso e ao chegar às aulas da parte da manhã, ouvi aquele memorável início, aquelas notas de piano a ecoarem pelo átrio, arrepiei-me da cabeça aos pés, era como se alguém te estivesse a ver de lingerie sem quereres, era a tua intimidade ali espalhada por todo o lado, por rapazes de boné, homens de camisa, raparigas de piercings, raparigas platinadas, estava baixinho, a maior parte deles não se apercebeu mas eu… eh pá… para mim era como estar na terra dos mil lagos, em altura do sol da meia-noite.

Não havia rádio na escola, rádio no sentido de uma emissão com locutores e tudo, como nessas escolas da treta americanas. Provavelmente, era uma aparelhagem lá no quarto escuro deixada em modo de repetição, a música tocou o dia todo, os meus colegas nunca mais a esqueceram, ainda hoje sabem quem eles são, ainda hoje se lembram de mim quando os ouvem ou vêem o heartagram, tenho de ir à Finlândia um dia destes pedir-lhes comissão.

Eu bem digo que um dia conto a minha história de enamoramento por estes rapazes mas duraria tanto tempo, envolveria tantos momentos, pessoas, caminhos sem retorno e eternidades consoladas a álcool, que ficará para o dia último, noite última, sim, noite.

 

publicado por Ligeia Noire às 13:36
etiquetas: ,

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


mais sobre mim
Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
30


Fotos
pesquisar
 
arquivos
subscrever feeds