“We are like roses that have never bothered to bloom when we should have bloomed and it is as if the sun has become disgusted with waiting”.

27
Dez 13

 

Novembro e meio

 

Olá,

Como tens andado?

Tens-me visto daí? Rido… pois com certeza, advertido, suponho mas já não equaciono o porvir, deixo que a água escorra pelos pingentes de gelo que me servem de gelados como ele diz que as pessoas fazem por lá.

Toca a Dying Song, surpreende-me a melodia açucarada e catchy de que se permeia, enquanto ele vai rasgando com palavras de poetas e de nevoeiro toda aquela toada de guitarras, teclas e batidas controladas.

Vou recordando este Screamworks: Love in Theory and Practise porque no outro dia ele me falou da genialidade de pormenores e melodias que eu, na minha tacanhez, não quis admitir, reconhecer, apreciar e que lhe iam alegrando os ouvidos no metro.

A minha vida está um novelo, uma confusão, um labirinto que não se pode sobrevoar…  o que me remete para o curioso ditado do tem cuidado com o que desejas porque já o Manson dizia when all of your wishes are granted all of your dreams will be destroyed…

E não explicarei porque, mesmo sendo eu, esta rapariga sem caminho, sem futuro, sem cheta, sem porra nenhuma, tenho um gato laranja e um cavaleiro branco apaixonados por mim, de formas diferentes, de estórias e enredos díspares mas saídos do nada e caídos como Nefilins.

Aquele a quem pertenço ofereceu-me um disco dos Pink Floyd , dois discos dos Supertramp e um livro de poesias do Edgar Allan Poe de capa vermelho-sangue.

O meu coração carameliza com livros de capa vermelha, ainda por cima pequenos….

E o laranja, o gato laranjinha compôs-me o que te revelo a seguir:

 

I have a precious jewel

I keep it in my pocket

And it goes everywhere with me.
When the moon is out at night,

Its rays shine on it and
the stone talks to me 

saying sweet starry things.
When the sun is out
and the clouds are rolling

They reflect on the stone and it

Shines for me 
speaking loudly.

when the rain falls the drops

form on the stone and

tell sad stories but

always my precious jewel is

on my mind and

nearby.

she is so rare and

her name is…

 

Autoria de C.S.

 

O seu nome é, o seu nome é….

 

Dezembro e fecho

 

E é nesta profusão de novidades e de coisas que se irão equacionar no Verão quando o sol raiar porque ela estará com os caixões à espera, os dois refulgindo de negro azeviche ao sol.

E não é que volto pela ducentésima vez à estória da minha Ligeia, volto a deixar que o vento uive sem que me encontre atormentada e que a chuva caia sem se me molharem os olhos porque me doem as costas e as pernas por dias de trabalho escravo, deixo que o meu corpo descanse e deixo que todas as minhas vontades sensuais se desenrolem e acreditem e venerem apenas esta mulher, esta deidade.

Ligeia, Ligeia, é de sons conjuratórios que o vosso nome é feito.

Meu Deus como vos amo, como vos adoro e reverencio.

 

publicado por Ligeia Noire às 15:39
música: "When the sun hits" dos Slowdive
etiquetas: , ,

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


mais sobre mim
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30
31


Fotos
pesquisar
 
arquivos
subscrever feeds