“We are like roses that have never bothered to bloom when we should have bloomed and it is as if the sun has become disgusted with waiting”.

03
Mai 10


Quando crescemos e ficámos por nossa conta, há muitos momentos cheios de muitas horas nos quais queríamos voltar a ser do tamanho das não-responsabilidades.

Voltar para conseguirmos caber no mundo.

Alterar o nosso formato, pequeno, corcunda e retorcido.

E olhamos para cima, e caem bocados velhos de nós.

Um dia vais ser alguma coisa.

Um dia vais poder erguer-te e ver-te sem retalhos.

Um dia?

Não há dias quando vivemos na queda.

Retalhada, a carne desce líquida e fica presa aos ossos esmigalhados, eu sou essa impureza disforme e indolente.

A dor é dormente de tão grande, e não consigo arranjar-lhe palavras.

publicado por Ligeia Noire às 23:27
etiquetas:

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
14
15

16
18
19
20
22

23
25
26
28
29

30
31


Fotos
pesquisar
 
arquivos
subscrever feeds