“We are like roses that have never bothered to bloom when we should have bloomed and it is as if the sun has become disgusted with waiting”.

28
Mar 12


Vai demorar dama de paus, vai demorar até o sol cair de cansaço.

Barba cerrada e agreste, por pulsos e mãos pequenas, abertas e de dedos estendidos.

Vale a pena enquadrar o obreiro?

As mãos grandes e rugosas constrangendo as mãos claras e obedientes.

Colheu-lhe o queixo com a boca e segurou-lhe as pernas brancas junto aos braços de muitos anos.

Cabelos densos e escuros, os cabelos dele... compridos e doseados a cada movimento coordenado.

Recolheu, da cesta de palha velha, duas pedrinhas de sal e, com unhas compridas e aguçadas, depositou-lhas nos lábios que ela apressou a sorver.

Haverá o dia de amanhã?

Sabes quando comes um rebuçado de mentol e ficas com as vias respiratórias demasiado limpas e susceptíveis?

0,3,7 Pescoço flagelado e dentes acamados nos lábios de zimbro.

Com os dedos compridos e gelados contou-lhe todas as costelas, enquanto ia proferindo os números em voz assaz monocórdica.

Langorosamente deixou que todo o seu peso se depositasse no recebimento que ela lhe mimoseava.

Tomou-lhe as tranças, as tranças de rapariga e desviou-lhas do peito, parou.

Os dias de afogamento em lagos sujos.

Olhos, olhos grandes e fundos e de pestanas compridas, olhos escuros, olhos sem cor, ali parados como águas doentes.

O que é que foi? Perguntou, baixinho, a rapariga de tranças que caiam pelas costas.

E inclinou-se, as tranças caíram-lhe pelo ventre, inclinou-se mais e com as mãos juntas guardou o rosto severo dele junto à boca.

Desceu-lhe até aos lábios fechados, depositando um beijo morto, como quem deposita um lírio roxo, numa campa fresca, numa campa que não conhece, só pelo leve prazer de observar a flor que explode de cor, no mármore frio e anoitecido.

Os braços de mãos rugosas tomaram-lhe o corpo pequeno e deitaram-no no colo, o obreiro escondeu a rapariga como se fosse uma gaveta de madeira de cedro.


publicado por Ligeia Noire às 17:41
etiquetas: , ,

27
Mar 12


Estás triste?

Deita a cabeça nas conchas das minhas mãos.

Sabes o que me tem apetecido em quantidades industriais?

Abrasar a garganta e domesticar pessoas.

Vontades incomensuráveis de conspurcar o cetim e decorar o junco verde com chantilly fresco.

É que tem sido muito complicado manter o demónio do lado de lá.

Acho que se compenetrar todas as minhas partes em golfadas circulares, consigo mais uns meses de avanço.

Não vou dizer as palavras mágicas por mais que o queira fazer, por mais que a saliva me abrase os dentes, as unhas mantêm-se em profícuo crescimento.

Quero muito levar-me guardada e usar uma de mim para toldar dois e duas.

Há, pois claro que haveria, tenho de guardar uma noite florida e deglutir tudo de um trago.

Quero muito.

Preciso demasiado.


publicado por Ligeia Noire às 23:00
etiquetas: , ,

23
Mar 12


Se permanecermos no carreiro desalumiado e esburacado da estória, chegaremos ao último dos seus capítulos e deixaremos de reparar nos buracos e os nossos pés guiar-se-ão pelo breu como se de raízes esfaimadas se tratassem.


My pilot light has flickered out

You've knocked me off the hook

The person you are trying to reach is no longer here

I'm not really tall, dark and handsome

I just look that way

I'm a canvas that bleeds

And I'm painted with fingers

Childish pictures

Of you that still linger

Bury you're wasted into the moon

Hoping that it sinks to the earth soon

Bury you're wasted into the moon

I hope that it sinks into the earth soon

My pilot light has flickered out

You've knocked me off the hook

The person you are trying to reach is no longer here

I'm a canvas that bleeds

And I'm painted with fingers

Childish pictures of you that still linger

I am a VCR

A funeral of dead memory waste

I'm a VCR

A funeral of dead memory waste

You can see it on my face

I'm a VCR funeral

Of dead memory waste

You can see it on my face

My smile is a chain link fence

I dare not frown

For fear of what comes out

My smile is a chain link fence

And I dare not frown for fear of what comes out

Sing a song kitty

Sing it

Sing it kitty

Sing it

Some people don't think that Lily

Is smart enough to understand what I'm thinking

But I know if she could she would kill

Everybody that I hate, 'cause she loves me

'Cause I took care of her since she was a little baby

I am a VCR funeral of dead memory waste

You can see it in my face

As drink crawls down the esophagus staircase

Into my bowels of hell

Naked like clown faces all smeared clean

Naked like clown faces all smeared clean in the spotlight

Naked like clown faces all smeared clean in the spotlight

I'm a VCR funeral of dead memory waste you can see it on my face

Dead memory waste

Kill me, kill everyone, you can let them all die

The only thing in this world that does not die is money

You can kill me, you can kill them, you can let everyone die

The only thing in this world that does not die is money

You can kill me, you can kill them, you can let everyone die

The only thing immortal in this world is money

You can kill me, you can kill them, you can let everything die

The only thing immortal in this world is money

The only thing immoral in this world is money

The only thing oral in this world is money

The only thing in this is money

The only thing is me

The

Me

Thee

The only thing immortal in this world is money

The person you are trying to reach is no longer here

You have knocked me off the hook

The person you are trying to reach is no longer here

You have knocked me off the hook

You are afraid that you are no equal

While you are spending my money

You are afraid you are no equal while you are spending my money

You can kill me, you can kill them, you can let everyone die

The only thing immortal in this world is money

Why would I want to be equal with anyone?

You think you're not equal while you're spending my money

Why would I want to be equal with anyone?

Why would I want to be equal with anyone?

To be equal you have to add or subtract

And I have never liked math

To be equal you have to add or subtract

And I have never liked math

You are recognizable, as just another part in a vast machine

You are recognizable, as just another part in a vast machine

The only thing immortal in this world is money

The only thing original in this world is the way we destroy things

Everything has already been created

So we can only deal with new ways of destroying them

Everything has already been created

So we can only think of new ways of destroying them

Stop rehearsing alcohol and start performing narcotics

Stop rehearsing alcohol and start performing narcotics

Stop rehearsing alcohol and start performing narcotics

Do you think that animals believe in God?

Do you think that animals believe in God?

Do you think that animals believe in God?

To be equal you must add or subtract

People who want to be equal have lives that are filled with subtractions and auditions

To be equal you must add or subtract

People who want to be equal's lives' are filled with subtractions and auditions

We will call you back and tell you

Don't call us, we'll call you

Don't call us, we'll call you

Do animals believe in God?

Do animals believe in God?

Do animals believe in God?

Do animals believe in God?

Stop rehearsing alcohol and start performing narcotics

This is a Caucasian occasion

This is a Caucasian occasion

Could someone please autograph the frontal lobe?

Could someone please autograph the frontal lobe?

The insurance will not cover this

Could someone please autograph the frontal lobe?

The insurance will not cover this

Can someone please autograph the frontal lobe, the insurance will not cover this

And the young are too senile

The young are too senile

The young are too senile

The young are too senile

The young are too senile

The young are too senile

The young are too senile

The young are too senile

The young are too senile

The young sieg heil

The young sieg heil

Young are too senile

The young sieg heil

Do animals believe in god?

Do animals believe in god?

Do animals believe in god?

I'm a kickstand in your mouth

I am a kickstand in your mouth

I am a kickstand in your mouth

I am a kickstand in your mouth

The insurance won't cover this

The insurance won't cover this

You can run as fast as you want

But you can never outrun the cliché

You can run as fast as you want

But you can never outrun the cliché

You can run as fast as you want

But you can never outrun the cliché

The young are senile, the young are senile

Have I outgrown my spotlight?

Have I outgrown my spotlight?

Have I outgrown my spotlight?

My pupils are not students, they dilate but they never learn

My pupils are not students, they dilate but they never learn

My pupils are not students, they dilate but they never learn

My pupils are not students, they dilate but they never learn

Each time we roll up the dollar bill, we suffocate the president

Each time we roll up a dollar bill, we suffocate the president

Each time we roll up the dollar bill, we are suffocating the president

Each time we roll up the dollar bill, we suffocate the president

Just say now

Would you suck America's tits?

I want you to just say now, would you suck America's tits?

I want you to just say now, would you suck America's tits?

I want you to just say now, would you suck America's tits?

I want downloadable suicide

I want downloadable suicide

I want downloadable suicide

I want downloadable suicide

I want downloadable suicide

I want everything when I want it and I want it now

I want everything when I want it and I want it now

I want everything before I want it and I already wanted it so I don't want it anymore

I want everything when I want it and I want it now

I want everything before I want it so I don't want it anymore

I want downloadable suicide

I want a newer version

I want downloadable suicide

I want a newer version

I want downloadable suicide

Version I don't know

Version I don't point know

Version I don't point no

Version I point the gun at me

Oh

Oh

Version I don't know

Version I point the gun at me point Oh oh oh oh oh

I want downloadable suicide

If I sneeze will anyone bless me?

If I sneeze will anyone bless me?

If I sneeze will anyone bless me?

Stop rehearsing alcohol and start performing narcotics

I keep watering a dead flower

Keep watering a dead flower

Keep watering the dead flower

Keep watering a dead flower

Keep watering a dead flower

Keep watering a dead flower

Keep watering a dead flower

Keep watering a dead flower

Everything I make is a piece of plant

And some day it could have been a flower

And the things that are flowers are dead

Till I keep watering a dead flower

Keep watering a dead flower

There's not enough of me to make a bouquet

There's not enough of me to make a bouquet

Stop watering the dead flower

Stop watering a dead flower

Stop watering a dead flower

I have no balance

I am like snow

And I melt away

I have no balance and I am like snow and I melt away

I have to balance I am like snow And I melt away

As you are listening

I want you to know

That you are nothing

But a screen that I will project

My images of sorrow, pain and sex upon

Although there is no difference between the three

As you are listening

I want you to know

That you are nothing

But a screen that I will project

My images of sorrow, pain and sex upon

Although there is no difference between the three

As you are listening

I want you to know that you are only a screen

That I project my images of sorrow, pain and suffering and sex upon

Although there is no difference between the three and the one

As you are listening I want you to know that you are nothing but a screen

That I project my images of suffering, sorrow, pain, sex

And the brief glimmer of happiness I find in the misery

Of those who are sitting in the theatre of which this screen exists

I want you to know as you are listening

That you are nothing but a screen

That I project my images of sorrow, pain, suffering, sex

And the brief glimpse of happiness I get from the misery

Of those who sit in the theatre that this screen exists will feel while they listen

The brief glimpse of happiness that I feel as

Those who sit in the theatre that this screen exists will feel as they listen

This isn't about music

This is about the difference between you and me

This isn't about music

This is about the difference between you and me

This isn't about music

This is about the difference between you and me

This isn't about music

This is about the difference between you and me

This isn't about music

This is about the difference between you and me

I am a birthday cake that we light up, blow out, cut apart and forget

I am a birthday cake that you light up, blow out, cut apart and forget

I am a birthday cake that you light up, blow out, cut apart, devour and forget

I am a birthday cake that you light up, blow out, cut apart, devour and forget

And I'm just like a holiday because I make everyone in the family cry

And I'm just like a holiday because I make everyone in the family cry

And I'm just like a holiday because I make everyone in the family cry

Love your enemy because love is the enemy

Love your enemy because love is the enemy

Love your enemy because love is the enemy

Love your enemy because love is the enemy

Your sell by date has expired

Your sell by date has expired

Your sell by date has expired

Your sell by date has expired

Our commercial should be faster because we are all just slowguns

Waiting to have our triggers pulled

The commercials need to be faster because we are all just slowguns

Waiting to have our triggers pulled

The commercials should be faster because we are just slowguns

Waiting to have our triggers pulled

The commercials should be faster because we are just slowguns

Waiting to have our triggers pulled

The commercials should be faster because we are just slowguns

Waiting to have our triggers pulled

The commercials should be faster because we are just slowguns

Waiting to have our triggers pulled

The commercials should be faster because we are just slowguns

Waiting to have our triggers pulled

Don't bother trying to save the brainforest

Don't bother trying to save the brainforest

Don't bother trying to save the brainforest

My pain is not ashamed to repeat itself

My pain is not ashamed to repeat itself

My pain is not ashamed to repeat itself

My pain is not ashamed to repeat itself

My pain is not ashamed to repeat itself

The aspiration to save the world is a morbid phenomenon of today's youth

The aspiration to save the world is a morbid phenomenon of today's youth

The aspiration to save the world is a morbid phenomenon of today's youth

It's time someone believes what I say, I've become a lie

Each time someone believes what I say, I become a lie

Each time someone believes what I say, I become a lie

Each time someone believes what I say, I become a lie

We have reached the end of history

The only thing left is cosmetic changes

We have reached the end of history

The only thing that's left is cosmetic changes

   

from the Short-film "Doppelherz" by Marilyn Manson/ da curta-metragem "Doppelherz" dos Marilyn Manson

 

publicado por Ligeia Noire às 15:54

22
Mar 12


Não creio em ti Deus-Padre omnipotente,

Criador desse espaço constelado,

Que do Caos e o Nada conglobado,

Arrancaste o Universo refervente;

 

Não creio em ti, Deus-Filho em cuja mente

Foi o Bem inefável feito e nado;

E não creio no Espírito, gerado

Do eterno Amor, como uma chama ardente…

 

Saibam-no a terra e os céus: do Credo antigo,

Cheio de Graça e Fé, refúgio e abrigo,

Bênção da noite e prece da manhã,

 

Só creio no Pecado inelutável,

Na Maldição primeira inexplicável,

E no eterno reinado de Satã!

  

Antero de Quental

   

Para o cavaleiro das Terras Brancas

publicado por Ligeia Noire às 19:06

18
Mar 12

 

 I

 

 

Numa Sexta pequenina

 

Ainda me dói a cabeça, ainda me doem as costas, já é Sexta-Feira.

Já estamos no mês de Março e respondo ao Cavaleiro-das-Terras-Brancas que o tempo passa cada vez mais depressa.

Houve um dia, há um ano, em que estava à espera do autocarro por entre o sol e o céu azul e chega à paragem uma rapariga alta de cabelos fartos, encaracolados e louros, louros.

Tinha umas pernas longas e um porte atlético, deduzi que fosse nórdica.

Um ano depois, vi-a na sala, ri.

Vou observando os seus movimentos e a forma como abre em sorrisos os olhos, afinal não é nórdica.

Hoje, falámos um pouco e, enquanto a ouvia, fui-me dando conta da ironia do destino, ali, as duas sozinhas e não poderíamos ser mais díspares.

Ela é tão delicada, natural, limpa e bonita.

É isso, limpa, limpa, limpa, forte e optimista e limpa.

Ela é a aurora nas suas vestes claras e no seu cabelo de espigas.

Quer conhecer muitas coisas e conhece muitas coisas, nos seus olhos não se vê o medo, só a vontade.

Estou triste.

     II

 

Écailles de Lune part 2

    

Esta canção é desconcertante, desconcertante ao cubo.

Quando confrontado com uma crítica a um dos seus álbuns, o senhor que criou a entidade Alcest, decidiu responder.

O escriba dizia que as canções eram lúgubres, tristes e cheias de noite, mais ou menos isto, o músico ficou muito admirado, não percebia como as composições chegavam tão distorcidas a ouvidos alheios, aquilo era exactamente o oposto do que ele queria transmitir.

Quando petiz, esteve em contacto com uma espécie de Souvenirs d'un autre monde e, esse outro mundo, era-lhe tão confortável, tão puro e tão belo que se apaixonou por ele.

A dita paixão foi tão forte que o fez criar o conceito acima mencionado na tentativa de traduzir e perpetuar o que tinha presenciado.

Uma espécie de Mãe-Terra, um universo de verde líquido vestido que acolhesse os que fossem capazes de abrir os ouvidos e os olhos de dentro.

Eu consigo compreender os dois pontos de vista, percebo o que o Neige diz, consigo aperceber-me dessa dimensão maternal e cristalina nas canções mas também entendo o que os escribas vão apontando, a melancolia e a tristeza que fica.

Eu sei que não era para ficarmos tristes e alagados mas o que acontece, pelo menos comigo, é que esse teu mundo é tão desoladoramente belo, cheio de pequenas plantas e férteis arbustos, tão desaparelhado deste que, embora seja demasiadamente sublime, fere-nos o peito por sabermos ser impossível de alcançar ou, pelo menos, de ficar mais um pouco dentro deste.

Deixa uma espécie de acre nos lábios, quando ligamos o interruptor cromado da lâmpada led e abrimos a janela.

 

III

    

Écailles de Lune part 1

 

Acordei com o senhor da rádio a falar de uma Laura, tenho de trabalhar, tenho de ligar o interruptor branco da luz que cresce com o tempo.

Não ia falar de ti, pelo menos não anteontem mas acontece que sonhei contigo e não é algo que costume suceder muitas vezes.

Acho estranho, és (foste?) tão presente na minha vida e acho que te encontrei por terras oníricas umas... duas ou três vezes.

Hoje sonhei contigo mas não me lembro de mais nada, só daquela avenida estendida ao sol e cheia de demasiadas pessoas.

Será que descobriste que estive nesse mesmo sítio há tão pouco tempo?

É que ando a perguntar-me como se me adensaram os punhos de calcário para não compor palavras e to comunicar nessa altura.

Confesso que me deu um gozo levezinho andar por aí, rir-me por aí e fugir-te ao sol e fazer-te saber quando já estava segura por entre a luz da lua e em terrenos bem mais concentrados e arborizados.

Ainda, há dias, escrevia se não será isto um desperdício de tempo, pele e boca mas, mas, mas, não, não é, não é, não pode ser.

Ah! Perco-me do sentido do que fazia sentido.

Enquanto vinha para casa, e o senhor acima cantava as terras que são só dele, pensava no quão estranhamente inconveniente é reconhecer que és apenas tu, o sabedor do meu mais largo segredo, tu que nem sequer sabes exactamente de onde sou, ou o que faço, sabes deste laço branco atado e também da minha pele, da minha boca, dos meus cabelos, das minhas unhas, dos meus olhos abertos para onde quase saltaste e do laço branco bem atado, como é que isto é possível?

Que idiotia… todas estas coisas a encastelarem-se dentro da minha cabeça e a não me deixarem ver em condições.

Não entendo, não entendo Supremo mas por que raio isto começa a gatinhar ali ao fundo, se planeámos acabar com as noites desenhadas e voltar para dentro da linha vermelha?

E agora deixas que estas palavras, feitas imagens, atormentem todos os cantos da minha cabeça.

Eu detesto-o.

publicado por Ligeia Noire às 12:51

08
Mar 12


Ontem, na minha correria para o átrio a que uma amiga chamou das andanças do Robin dos Bancos, reparei por entre as japoneiras num rapaz que me parecia o ruivo, sim esse mesmo, as mesmas vestes cinzentas, e o mesmo capuz, estava de costas mas aqueles passos pesados e indiferentes… talvez não fosse, talvez não fosse.

Tenho-lhe muitas saudades, foi um dos que mais me fez esticar a corda e o mais carregado de acasos e, claro, o que melhor me perfez o Frankenstein.

Hoje, pelo caminho, reparei num quadro vivo na esplanada de um café onde a catraiada da escola básica gosta de palrar.

Numa mesa amarela, com cadeiras amarelas, estava uma senhora ou seria senhorita?

Não sei, a aproveitar o céu azul e o sol outonal.

Lembrei-me do Mário de Sá-Carneiro…

A mulher dominava o cenário de preto acutilante vestida, de saltos que tocavam o céu, espraiava-se inteira numa esplanada deserta.

Não se movia, não tinha o olhar num outro mundo, como costuma suceder às raras figuras que me prendem os olhos mas tinha-o ali, presente mas no cimo de uma montanha, um olhar feito de adagas de gelo.

Gosto deste meu passatempo, mais do que enrolar os cabelos nas pontas dos dedos mas menos que raptar flores, gosto demasiado de observar e, às vezes, acontecem estes quadros bonitos, de pessoas que tingem o círculo da imobilidade.

Bem, mas vamos aos assuntos pequeninos. 

 

Don’t run from me, I won’t bother counting one, two, three

 

Uma das coisas em que descobri estar errada, é no cansaço a que me permito em relação a determinar pessoas, apercebo-me de três ou quatro traços e não me amolo mais em pô-las à prova.

Ora bem, que dizer, quando brincava em desatar ou não os laços...

Hoje reparo que fiz bem em mantê-los atados. 

Já não me impressionas, afinal não és tão alto como julgas.

E tu, bem, tu nunca chegaste a ser considerada, enfastiaste-me antes disso, ao contrário do primeiro exemplo, tu quiseste subir à pressa, desleixadamente.

De ti, não foi preciso recuar, sempre estive sentada na sacada.

Enquanto lavava uma camisa branca e estroinava os ossos ao som da voz do maldito, reparei que as coisas pequenas são mesmo isso, pequenas.

E a ti, será que ainda faz sentido colocar-te num assunto dos grandes?

 

I’m weak, seven days a week

 

Yeah babe, é desta forma que sou fraca, de neve enrolada e de olhos escancarados e pálpebras fechadas, esperavas que me lançasse e amenizasse, era assim que me querias?

Foi por isso que me bateste à porta, três vezes?

Será por ser esse, o número perfeito?

Pena que o meu sempre tenha sido o sete.

É isso, percebeste bem, minha pungente flor-selvagem, vai batendo, bate durante a noite e de preferência à hora das bruxas.

Não, não vou abrir mas sabes o que me apetecia, assim, mesmo muito?

Sabes aquele castiçal de velas velhas?

Pois, esse mesmo.

Não achas que ficaria encantador no parapeito da janela, pois, eu também acho mas claro, as cortinas teriam de ficar bastante afastadas, não queremos um incêndio (alheio), certo?

As janelas brancas da casa de pedra, bem trancadas, a porta com a aldrava e os fósforos que sobraram do Inverno serviriam para iluminar de vermelho este velho castiçal e, como eu me deito tarde e as noites vão azuladas, nada melhor do que contemplar a mãe-lua e deixá-la trespassar-me o corpo.

Acetinar a pele traz-me sono.

Pois, se calhar até adormeço de cortinas abertas, está uma noite tão deliciosa, não te parece?

publicado por Ligeia Noire às 20:40

02
Mar 12


Já é Sexta-feira e reparo que as coisas se tornam cada vez mais complicadas, como se isso fosse possível.

Pergunto-me se chegarei ao final deste ano.

Disse um adeus rápido para não prolongar conversas embaraçosas e fiquei à espera do autocarro, mais uma vez, sou abordada por um homem que me diz não me ir assaltar, sorrio e digo não o ter acusado de nada e ele retorque dizendo que as pessoas, por causa do seu aspecto, o tomam como um larápio.

Eu volto a sorrir e ele diz que vai ser sincero, está a ressacar e precisa da dose mas faltam-lhe quatro euros.

Digo-lhe que também serei sincera e que apenas tenho uma nota, ele diz que me dá troco, se eu quiser.

E eu quis e fizemos contas.

 Ele não estava à espera e encosta-se ao muro, diz-me que já tentou várias vezes mas que não consegue e eu digo-lhe que imagino o quão difícil deve ser e ele pergunta de onde sou, respondo e ele diz que conhece.

Enumera algumas terras minhas vizinhas e acrescenta que trabalhou na associação x… diz que as pessoas da aldeia não são tão agressivas e arrogantes como as da cidade que, sempre que batia à porta de alguém, não lhes mentia e elas agradeciam a sinceridade, tornando-se seu conhecido.

 Diz-me que foi futebolista profissional que trabalhou no estrangeiro e que ganhava bem e eu acabo a frase dele dizendo o óbvio "depois perdeste-te…" e ele assenta com um sorriso e uns olhos encovados.

Queria encorajá-lo a tentar mais uma vez mas não conseguia lembrar-me de um motivo pelo qual valesse a pena erguer-se, tudo o que lhe poderia dizer só o faria descer, ainda mais, pelo musgo.

Desejei-lhe sorte e sorri, ele prosseguiu o caminho em direcção ao sítio do costume.

publicado por Ligeia Noire às 17:08

01
Mar 12


I want to fuck you like a foreign film

and there’s no subtitles to get you through this

and I’m a country you don’t ever ever ever ever ever

want to visit again


Line up,

Roll camera,
you pretend
I’ll pretend
And cut, cut, cut

 

I want to kill you like they do in the movies
but don’t worry… there’s another one just like you in line


Line up,

Roll camera,
you pretend
I’ll pretend
And cut, cut, cut


I’m a strip, strip, strip, and

I flicker, flick, flick, flick
a flicker of celluloid
and there’s holes, holes, holes
in my everything


You’re just what I projected

just what I projected
It’s just what I projected
just want to project it


Come in, come in, come in,

Come in, come in, come in, come inside

 

There’s so much, much, much more skin to break
I haven’t even taken off my gloves


I feel a little sorry baby,

I feel a little sorry baby,
I heard the afterlife is poorly scored


You’re lucky you don’t have to wake up


sick, sick, sick, sick

I’m sick of immortality,
I’m sick of immortality
I’m sick of immortality


I was only acting, baby

only acting, baby
You were only acting, baby
overacting, baby

 

Don’t confuse it with love
Don’t confuse it with love
Don’t confuse it with love
Don’t confuse it with love


Every time I kill you I’m really just killing myself

Every time I kill you I’m really just killing myself
Every time I kill you I’m really just killing myself

 

Don’t flatter yourself, don’t flatter yourself


This is business not pleasure, baby

this is business not pleasure, baby
this business of pleasure, baby
business not pleasure, baby
this is business
this is business


I want to kill you like they do in the movies

but don’t worry there’s another one just like you, standing in line


Line up,

Roll camera,
you pretend
I’ll pretend
And cut, cut, cut

 

Marilyn Manson

  

Post Scriptum: As letras geniais são assim, geniais.

publicado por Ligeia Noire às 21:29
etiquetas:

mais sobre mim
Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
24

25
26
29
30
31


Fotos
pesquisar
 
arquivos
subscrever feeds