“We are like roses that have never bothered to bloom when we should have bloomed and it is as if the sun has become disgusted with waiting”.

27
Mai 12

 

I


É preciso saber gerir a sede, pelo menos a percepção que os outros têm dela, é preciso parecer lilás aos olhos do dia para ser digna da mais negra bênção no desaguar da noite.

É por isso que jamais gostei de vampiros espalhafatosos.

Não quero que me saibam as vontades, os detalhes, as doses, a ruína das necessidades e dos desejos.

Se descobrir que é a dama de paus que seguras junto à boca, com essas unhas inumadas e, mesmo assim assumir que quero ser jogada em tabuleiro aberto, o que faz isso de mim?

Se eu me quiser talhar, dessubstanciar, recortar, terei direito ao anonimato nos teus dias?

A Maria vestida de vermelho, como não poderia deixar de ser, estava ajoelhada na erva do pastoreio com um cordeiro bem branquinho ao colo. 

II

 

"Vais sempre menina. Vais sempre e eu só tenho de esperar que voltes, eu uivo"

Aprazi-te assim?

Foi do teu gosto que me deixasse espalhada e confundida no meio de malmequeres bravos?

Não há perfume igualável.

É dali que se sobe e é dali que se começa.

Percebi a oferta não pronunciada e aceitei-a sem to dizer.

Já oiço o teu escárnio daqui, já oiço os teus olhos a derramarem risos absurdos para cima de unhas ao nível dos lábios…

"Não estavas absorta pelos vales e silvados do sujeito demorado? Não era ele a tua musa, o teu espaldar de racionamento?" 

Ah Sangue bravio... não foi, não foi, não poderá jamais coadunar-se comigo.

Sou suja demais para ele, continuo a mergulha-lo mas não o posso beber.

Somos substâncias imiscíveis.

Pranteio mas não posso refazer-me para que ele me consiga afagar o cabelo.

Continuo e prossigo no negro azeviche do meu ninho.

Reconheces-me e reconheço-te dentro da mais pura negritude porque somos bichos de beiradas de precipícios.

O meu arco também é vermelho. 

 

Drink up sweet decadence
I can't say no to you
And I've completely lost myself and I don't mind
I can't say no to you 


(...) So take care what you ask of me... 

 

Excerto de Good Enough dos Evanescence/Excerpt from Good Enough by Evanescence

publicado por Ligeia Noire às 18:32
etiquetas: ,

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


mais sobre mim
Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

14
15
17
18
19

21
23
24
25
26

28
30
31


Fotos
pesquisar
 
arquivos
subscrever feeds