“We are like roses that have never bothered to bloom when we should have bloomed and it is as if the sun has become disgusted with waiting”.

04
Nov 13

 

Kinda like a cloud, I was up way up in the sky and I was feeling some feelings you wouldn't believe

Sometimes, I don't believe them myself and I decided I was never coming down

Just then, a tiny little dot caught my eye it was just about too small to see

But I watched it way too long... it was pulling me down

I was up above it

Now I'm down in it


Well shut up so what? What the fuck does it matter now?

I was swimming in the haze now I crawl on the ground

And everything I never liked about you is kind of seeping into me

Try to laugh about it now but isn't it funny, how everything works out?

(I guess the joke's on me, she said).

 

I was up above it

Now I'm down in it

I used to be so big and strong

I used to know my right from wrong

I used to never be afraid

I used to be somebody

I used to have something inside

Now just this hole that's open wide

I used to want it all

I used to be somebody

 

I'll cross my heart, I'll hope to die but the needle's already in my eye

And all the fucking world's weight is on my back and I don't even know why...

What I used to think was me is just a fading memory

 

I looked him right in the eye and said goodbye

I was up above it

Now I'm down in it

(Rain, rain go away, come again some other day.)


Lyrics by Nine Inch Nails/Letra da autoria dos Nine Inch Nails


publicado por Ligeia Noire às 15:59
etiquetas:

19
Out 13

 

Os meus amigos, as minhas amigas, pensei neles todos, não são muitos mas também não sei se são bons, talvez a rapariga-que-tem-nome tenha sido e ainda seja a que ainda gosto sem esforços, sei lá... às vezes aquela frase do Chino bate à porta I hate all of my friends. They all lack taste sometimes, acredita que isto tem lá dentro um mundo, acho que temos rios, riachos, oceanos e regatos a correrem desenfreados entre nós, eu e as pessoas, os amigos…

Sim, oiço o Hesitation Marks e, ao contrário dele, gosto e como lhe disse, se as discotecas passassem isto, sairia mais vezes, se bem que hoje em dia, nem mais nem menos.

Mostrou-se agradecido pela minha compaixão para com a sua vida embrulhada, atribulada, de merda vá. Ora, lembrei-me logo, que faz uns meses que rabisquei qualquer coisa sobre a compaixão que não é piedade mas troca de sapatos como na canção dos Depeche Mode.

Dir-lhe-ia que beber mais que dormir não é bom mas já visitei esse buraco e sei que o melhor é fechar bem a boca, porque este é um dos casos em que o ofício de corpo presente faz maravilhas.

Enquanto tudo isto se sucede lá pro meio das montanhas avermelhadas, o cavaleiro branco, arcano, intitula-me de capuchinho vermelho e não sabe de caminhos longos.

E foda-se não quero falar mais, quero dizer que gosto bastante do Hesitation Marks, é o sucedâneo mais que natural ao The Slip e o melhor que um Reznor casado e com dois filhos pode deixar resvalar sem vislumbrar o rato de bigodes encarquilhados que vive na cave.


What a pathetic string of words

Just leave them lying on the floor

The warning posted on the door

Not over here not anymore

There was a place that could have been

Step over all that used to be

Since you've invited yourself in

Some things I'd rather you not see

  

See I keep lying to myself

Don't know what else there is to do

If I could be somebody else

Well, I think I would for you

 

Didn't seem like something more?

So long I can't remember when

And this has happened all before

And this will happen all again

And I only have myself to blame

And I only have myself to blame

  

See I keep lying to myself

Don't know what else there is to do

If I could be somebody else

Well, I think I would for you

Since you have let yourself come in

 

Não sejas tolo gajo, deixa-te estar aí em cima porque, aqui em baixo, é só lodo, só lodo.

 

Wave goodbye
Wish me well
I've become
Something else
Something else, something else
It's just the world

 

All lyrics  or excerpts mentioned here are by Trent Reznor/Todas as letras ou excertos contidos nesta página são da autoria de Trent Reznor


publicado por Ligeia Noire às 10:43

29
Ago 13

 

Pelo menos cada vez que vejo o Trent Reznor mato saudades do Jack Shephard. Até a forma de andar é similar... e era isto. Já agora, grande canção. 

publicado por Ligeia Noire às 13:04
música: "Copy of A" dos N.I.N.

29
Mai 13

 

Bow down in position against the polished steel


Não, não retornarei ao bondage e quejandos, se bem que é tudo farinha do mesmo saco.

A historia do Year Zero dos Nine Inch Nails é a História do rumo que a humanidade leva.

Estás a ver o Metrópolis, Matrix, The Island, George Orwell, Blade Runner, enfim a porcaria do totalitarismo et cetera e tal?

Ora.

Faz-me lembrar um pouco do livro A Trança de Inês também... quem podia ou não procriar e mais uma dúzia de filmes em que se controla o que comes, em que se elimina o sexo, em que nos vestimos com fardas e em que se paga multa por dizer palavrões, o que seria de mim.

Rio a preceito.

Estaremos muito longe dessa realidade ou nunca saimos dela?

 

I pushed a button and elected him to office and a...

He pushed a button and it dropped a bomb

You pushed a button and could watch it on the television

Those motherfuckers didn't last too long ha ha

I'm sick of hearing about the haves and the have nots

Have some personal accountability

The biggest problem with the way that we've been doing things is

The more we let you have the less that I'll be keeping for me

 

Well I used to stand for something

Now I'm on my hands and knees

Traded in my God for this one

He signs his name with a Capital G

 

Don't give a shit about the temperature in Guatemala

Don't really see what all the fuss is about

Ain't going to worry about no future generations and

I'm sure somebody's going to figure it out

Don't try to tell how some power can corrupt a person

You haven't had enough to know what it's like

You're only angry 'cause you wish you were in my position

Now nod your head because you know that I'm right—all right!

 

Well I used to stand for something

But forgot what that could be

There's a lot of me inside you

Maybe you're afraid to see

 

Well I used to stand for something

Now I'm on my hands and knees

Traded in my God for this one

He signs his name with a Capital G


Capital G escrita pelos N.I.N.


Álbum conceptual sobre o esclavagismo moderno, sobre as mentiras em que vivemos, a hipocrisia e a periculosidade das religiões, as guerras entre facções, no mesmo pais e que são financiadas por nações ocidentais, de supostos tementes a deus e morais cidadãos.

O dinheiro, o dinheiro, a corrupção, os ismos, a lavagem cerebral constante, sob o signo do medo que permite o controlo, cada vez maior, da individualidade.

A tristeza desmedida daqueles que percebem a inutilidade de esbracejar, a inutilidade de viver.

O inimigo que muda todos os dias, ao ritmo das prioridades monetárias e estratégicas.

 

I should have listened to her

So hard to keep control

We kept on eating but our

Bloated bellies still not full

She gave us all she had but

We went and took some more

Can't seem to shut her legs our

Mother Nature is a whore

 

I got my propaganda, I got revisionism

I got my violence in high def ultra-realism

All a part of this great nation

I got my fist, I got my plan, I got survivalism

 

Hypnotic sound of sirens

Echoing through the street

The cocking of the rifles

The marching of the feet

You see your world on fire

Don't try to act surprised

We did just what you told us

Lost our faith along the way and found ourselves believing your lies

 

I got my propaganda, I got revisionism

I got my violence in high def ultra-realism

All a part of this great nation

I got my fist, I got my plan, I got survivalism

 

All bruised and broken, bleeding

She asks to take my hand

I turn just keep on walking

What, you'd do the same thing in the circumstance, I'm sure you'll understand

 

I got my propaganda, I got revisionism

I got my violence in high-def ultra-realism

All a part of this great nation

I got my fist, I got my plan, I got survivalism


Survivalism escrita pelos N.I.N.


A HBO queria fazer uma mini-série baseada no álbum, não sei como isso anda... curiosamente, depois deste hiato, que ninguém acreditou que fosse mais do que isso, um hiato, foi anunciado já existir um álbum pronto a sair ainda este ano e com a participação do grande Atticus Ross.

É estranho ver os NIN numa editora discográfica, especialmente aquela mas acho que, no final de contas, todos nos rendemos às evidências, não podemos fugir à máquina.

Já andam por aí as habituais acusações de vendido e hipócrita.

O que se entende, se pensarmos naquele Trent banhado em lama, extremamente sexual, que partia instrumentos, se espolinhava e se comportava hereticamente perante quem quer que fosse.

O gajo que tinha a liberdade de escolher entre ter ou não as veias cheias de álcool, heroína ou coca e que berrava: pigs get, what pigs deserve.

Claro que sinto saudades, principalmente porque nos rouba a esperança de fugir à máquina, porque nos diz que, pelo menos por fora, todos acabamos por conformar-nos e curvar-nos perante o aço polido .

Há três coisas inimigas do que se foda tudo: casamentos, filhos e idade.

Não há excepção, o pessoal do rock se está confortável e tem a vida organizada, não pode continuar por aí a compor cenas como Head like a hole/ Black as your soul/ I'd rather die/ than give you control porque soa deslocado ou pior, falso.

Há sempre alguma verdade no: Foda-se quando estava no esgoto e a sentir-se uma nulidade é que lhe dava a sério.


(...) but I guess it’s the story of being an artist in the way that you have to...or you’re born that way that you want to lose yourself entire in what you’re doing, you’re willing for one single successful note... you know you’re willing to give up everything for that particular moment in time. Just to be able to be reborn through a note or through a line of words .
And the search for that can be extremely haunting for a lot of people and I guess that’s one of the reasons that a lot of people end up being ...you know... mentally ill or end up committing suicide or doing too many drugs or alcohol just to...
Numb the sensitivity that comes with being an artist..
You have to keep your ears and your eyes open, all your senses open to all the possible stuff that goes on around you, you’re like a sponge sucking in all the possible information and when you’re filled with that it just bleeds out of you.

And it hopefully bleeds out in a way that you can be... it can be a cathartic process for the artist and then it can be hopefully very cathartic for the person who sees or hears the piece of art. It’s not something you’re trying to do it’s something you have to do to be able to exist I guess. That’s the reason why I do music it’s... that’s how I started; I didn’t know how to cope with the world... and then I found an instrument and through that I realized that I’m able to cope with the world and its evils a bit better through writing songs. 


Ville Valo na entrevista do Digital Versatile Doom


Estes gajos não são mais do que ninguém, é por isso que detesto dizer que sou fã de alguém, odeio idolatria, sou apreciadora daquilo que fazem, admiradora, mas são tão humanos como nós, tão filhos da puta como nós, tão doces como a vizinha do lado.

Quantas vezes não vimos estes gajos a implicar com os técnicos de luz, de som, os fãs e até uns com os outros, já toda a gente conhece o feitio de merda e o egocentrismo dos artistas.

Mas ainda há por aí criancinhas que acham que eles têm de permanecer imutáveis, perfeitos e que lhes devem alguma coisa, eles dão-nos música, nós damos-lhe dinheiro: fim da linha.

Não preciso saber se ele fodeu x ou y, se gosta de morangos, se gosta de comédias românticas ou se ninguém os atura nos bastidores.

Claro que quando são artistas que guardas junto ao peito, o interesse acaba por resvalar para o lado de dentro, para a pessoa que se esconde nas letras e nos sons mas eles não te devem nada, se descobres coisas com as quais não concordas (especialmente ele, que fez o que fez até agora pela indústria musical, indústria musical, porcaria de contra-senso) o problema é teu.

Um jornalista perguntou há uns anos a opinião do Valo sobre esta cena dos músicos fazerem DVDs biográficos, ou mostrarem o seu dia-a-dia, acho que foi relativamente ao Some Kind Of Monster, ele disse que não era algo que fizesse mas que cada um sabe de si.

No entanto, ao fazerem isso estão a permitir que as pessoas entrem na intimidade deles e que seja desmistificado todo um imaginário que, invariavelmente, se vai criando à volta deles e daquilo que eles escrevem nas suas canções.

Não há mal nenhum nesse tipo de romantismos porque, mesmo que não passem de irrealidades, a probabilidade de convivermos com essas pessoas e descobrirmos que, afinal eles não têm nada de oculto ou de idealismo ou de ódio ao conformismo e que, na verdade, são uns preguiçosos, egocêntricos, bêbados e comedores de dinheiro e raparigas de peito arrebitado, é mínima.

A fantasia, aqui, justifica-se sempre, não quero saber o que fazem, nem como fazem, eu tenho, eu compus aquela imagem deles e pronto.

É quase como roubar um chupa-chupa a uma criança por prazer, maldade hã?

Acho que foi o Manson que contou ter sido levado ao concerto dos Kiss pelo pai quando era adolescente. Sendo ele um fanático pelo Gene Simmons estava mais do que extasiado, o que se desfez completamente quando o conheceu e percebeu que ele era um completo idiota.

Sim, já sei, quando a linha se desenrola no campo da música nunca mais me calo.

Homens inteligentes sabem quando é tempo de se camuflarem e minarem por dentro, tenho a certeza que o homem do teledisco da March Of The Pigs vestido de calças de vinil vermelhas e vontade de foder o mundo está ali dentro e sempre estará.

Aliás, eu sou das que gostou bastante do With Teeth e do Year Zero e das que ficou muito orgulhosa quando subiu ao palco com o Atticus para receber o Óscar, mesmo que essa merda seja o epíteto da máquina e não valha a ponta de um corno.


What?

You’d do the same thing in the circumstance, I'm sure you'll understand.


We do babe, moving on…


O Year Zero é deliciosamente dançável e curiosamente orgânico, no sentido carnal da cena, só o Trent consegue tirar da electrónica sangue suficiente para que esta transmita calor.

 

They're starting to open up the sky

They're starting to reach down through

And it feels like we're living in that split-second

Of a car crash

And time is slowing down

And if we only had a little more time

And this time

Is all there is

Do you remember the time we

And all the times we

And should have

And were going to

I know

And I know you remember

How we could justify it all

And we knew better

In our hearts we knew better

And we told ourselves it didn't matter

And we chose to continue

And none of that matters anymore

In the hour of our twilight

And soon it will be all said and done

And we will all be back together as one

If we will continue at all

 

Shame on us

Doomed from the start

May God have mercy

On our dirty little hearts

Shame on us

For all we've done

And all we ever were

Just zeros and ones

 

And you never get away

And you never get to take the easy way

And all of this is a consequence

Brought on by our own hand

If you believe in that sort of thing

And did you ever really find

When you closed your eyes

Any place that was still

And at peace

And I guess I just wanted to tell you

As the light starts to fade

That you are the reason

That I am not afraid

And I guess I just wanted to mention

As the heavens will fall

We will be together soon if we

Will be anything at all

 

Shame on us

Doomed from the start

May God have mercy

On our dirty little hearts

Shame on us

For all we've done

And all we ever were

Just zeros and ones


Zero-Sum escrita pelos N.I.N.




O álbum termina com esperança, há sempre uma réstia dela, uma verdade maior, uma rebelião, nem que seja na nossa cabeça.

Falar do Reznor é falar da gente que descobri por causa dele : Danny Lohner, o Finck, o Chris Vrenna, o Manson, o Manson, que não descobri por causa dele... na verdade, foi o oposto, mas do lado de um outro Manson, o irmão mais novo, o eterno Peter Pan.

De todo um grupo de gente criativa, que mudou a música e que nos abriu um guarda-chuva, guarda-chuva esse, que continua a proteger-nos até hoje, um guarda-chuva negro, opaco.


publicado por Ligeia Noire às 13:10

13
Mai 12


A brisa continua a transportar o som

Se calhar desaparecerei…

O rasto perder-se-á na neve

não me vais encontrar aqui


Gelo começa a formar-se

terminando o que começou.

Estou trancado na minha cabeça

com aquilo que fiz.

 

Eu sei que tentaste resgatar-me

não deixar que ninguém entrasse.

Deixado com um rasto do que foi

e do que poderia ter sido


Por favor

pega nisto

e foge para longe

longe de mim


eu estou…

manchado.

Nós os dois

nunca estivemos destinados a ser.


todos estes…

Bocados

e promessas e abandonos…


Se pelo menos eu pudesse ver

no meu

nada

tu eras tudo

tudo para mim


Ido, desvanecendo

tudo

e

tudo o que

poderia ter sido

e tudo o que poderia ter sido


Por favor

pega nisto

e foge para longe

tão longe quanto o que conseguires alcançar


eu estou

manchado

e felicidade e paz de espírito

nunca foram para mim


e todos estes

bocados

e promessas e abandonos…


se pelo menos eu pudesse ver

no meu

nada

tu eras tudo…

tudo para mim

 

Tradução livre do tema "And all that could have been" dos NIN/ Free translation of "And all that could have been" by NIN  

 

Post-Scriptum: Como tenho montes de coisas para fazer decidi não fazer nada.

Fui um pouco herética por traduzir uma das mais belas canções e letras que conheço, tentei ser fiel às palavras, (trigo limpo, farinha amparo) e também àquilo que a música é, sem tentar adicionar sentidos, sei que o senhor deixou versos ambíguos, sem sujeito definido, frases partidas e etc. e tal, propositadamente.

 Ontem, muito à noite, sentada numa cadeira de uma sala e com a janela escancarada, o calor era considerável e as pessoas continuavam a viver por debaixo da janela que abri.

Levantei-me e pousei a cabeça no parapeito e fiquei ali, um bocado, a vê-las viverem.

Crianças que corriam e gritavam constantemente, daqui para ali e depois para o antes, ciganas de cabelos impossíveis em grupos e riam e falavam enquanto os homens lavavam carros e estacionavam carrinhas.

Ele deixa uma frase propositadamente ambígua que eu acho reveladora:

Didn’t let anyone get in

Quem?

A pessoa que o tentou salvar, que tentou resguardá-lo da selva?

Ou será que foi ele mesmo que não deixou que ninguém entrasse, nem aqueles que o tentaram proteger?

Assim como:

Left with a trace of all that was and all that could have been

A vileza que é estar ali, frente a frente com o acabrunho de nós, com uma das folhas da árvore da vida, com um vislumbre do que podia, podia, podia, podia, podia mas não foi.

Lá longe, havia néones de coisas que vendiam coisas e cá perto, continuava o burburinho de pessoas que, para além de existirem, também eram.

Um gato magro, preto e branco ia atravessando tudo à procura de qualquer coisa, comida talvez, passeava-se devagar, por entre os agarrados que davam sinal codificado a brancuras ou transparências que tardavam em chegar para que pudessem ser conduzidos a uma qualquer masmorra que, outrora, se vestiu de castelo instalado nos píncaros.

Sentei-me outra vez e o barulho foi indo embora, restava apenas o gato, a terra sem erva, algumas janelas iluminadas e uma grande, uma melancolia sem tamanho que atravessava o mundo de um lado ao outro.

Era tarde mas não queria adormecer, não queria que o amanhã, que na verdade já o era, chegasse definitivamente, mas ele chegou e chega sempre e eu tenho de lhe abrir o corpo e ir com ele.

Dizer que gosto desta canção é dizer metade.

Dos meus olhos não a vejo como sendo sobre o amor, sobre o par, sobre o desgosto mas sobre o individuo, sobre a escada que erguemos e para onde subimos (não de onde mas para que), simplesmente, nos possamos avistar aos tropeções cá em baixo, sem fazermos porra nenhuma, é sobre irmos embora, irmos sempre embora.

É aquele momento em que admitimos saber que nos assemelhamos àquele puzzle velho que arrumámos há muitos anos, à pressa, num caixote qualquer.

Um dia lembrámo-nos dele e fomos, portanto, buscá-lo e reparámos que faltava uma peça: "é inútil", concluímos.

Marcado, estragado, corrompido, manchado, gosto da palavra estragado, ou melhor, gosto da sua acepção.

Estou estragada.

E acho que foi isso que vi ontem, o que poderia ter sido feito de mim, do meu carreiro, da minha vontade, do meu coração e do meu corpo.

A minha alma, como diz acima, não está guardada ou perdida cá dentro, está mesmo trancada, o som da palavra traz aloquetes, ferrolhos, correntes de aço e fundos do mar onde está o anjo fugido, sem migalhas de cinzas que nos levem até lá, para que nos salve.

Eu estou toda trancada, não no azul-escuro de águas silentes de juncais mas, como não poderia deixar de ser, numa qualquer caverna de uma particular floresta negra, os meus passos foram cobertos pela neve que eu quis que caísse porque cai sempre, cai continuamente, cai hoje porque caiu ontem e cai, cai, cai porque é de sua intenção cair.


publicado por Ligeia Noire às 14:50

25
Mai 11


Sempre me conheci a escrever, sempre me conheci melhor pelo que escrevo.

Ora, vamos lá, ao ponto de situação.

Possivelmente, o Frankenstein apareceu na janela mas numa janela que só existia na minha cabeça… não podia ser ele ou então é uma besta e isso significa exactamente o mesmo.

O tema deste devaneio veio ter comigo em boa hora e, hoje, fiquei a olhar para o título uns bons minutos.

E a verdade é que, as quatro pessoas que sou, estão a mirrar, uma delas até vê uma teia de aranha num dos olhos, teia essa que foi responsável pela descida, a pique, novamente.

O senhor de barbas, nos braços do qual eu desfaleci, disse para fingir que não existia mas é assaz complicado para uma moça como eu. 

O senhor de barbas brincou comigo, fez-me sorrir.

Talvez, mais tarde, fale da teia que uma das minhas pessoas vê, ou talvez não.

O senhor de barbas fez-me lembrar outros senhores de barbas, por exemplo, o meu antigo professor de geometria descritiva, ambos cheios de livros nos anos que os compõem mas, também, cheios de palavras simples e olhos que vêem.

Gosto de senhores de barbas, fazem-me sentir junto de ti Supremo, fazem-me pequenina e comporto-me como tal, involuntariamente.

Essa minha pessoa prefere a escuridão mais do que nunca porque, a teia de aranha que lhe assusta a vista, esbate-se ao entardecer... a ironia.

Essa minha pessoa violou um dos seus mais sagrados adornos.

Hoje, olhou-se e já não sabe se está, do lado de cá ou do lado de lá, da linha vermelha.

A segunda pessoa de mim, aquela que usa a domino, assentiu que não gosta de ninguém mas como isto ainda agora acabou de ver a luz do dia, cobrindo-se ainda de sangue, tem de se esperar e limpar com cuidado, para não cair no erro de se usar de demasiada violência e, claro, apurar a metáfora.

A minha terceira, aquela que me acho, está preocupada com a perfeição do corpo e por isso dá passeios ao luar por entre constantes vislumbres do que poderá vir a segui-la.

A minha quarta pessoa, deve foder as contas ao diabo e foder as percepções aos que a querem navegar nos olhos.

Às vezes, é doloroso percebermos que nos distanciamos tanto, mas tanto dos outros, que eles deixam de falar a nossa língua.

Hoje, enquanto ia a correr com todas as minhas pessoas, senti uma tristeza do tamanho das coisas por medir e senti medo, medo misturado com saudade, saudade de não ter consciência daquilo que sou e daquilo que sonhei ser quando tinha tranças e meias de renda branca.

Ainda uso tranças mas nunca mais pude sonhar ser mais nada.

A dor de pensar, a puta da dor de pensar.

Curar as feridas com beleza e quão bela é esta composição, sangra beleza e sangra coisas simples, coisas humanas, coisas da dor de pensar:

      

And all that could have been


Breeze still carries the sound

Maybe I'll disappear
Tracks will fade in the snow
You won't find me here

Ice is starting to form
Ending what had begun
I am locked in my head
With what I've done
I know you tried to rescue me
Didn't let anyone get in
Left with a trace of all that was
And all that could have been

Please
Take this
And run far away
Far away from me
I am
Tainted
The two of us
Were never meant to be
All these
Pieces
And promises and left behinds
If only I could see
In my
Nothing
You were everything
Everything to me

Gone.. fading..
Everything...
And...
All that...
Could have been...
All that could have been. 

Please
Take this
And run far away
Far as you can see
I am
Tainted
And happiness and peace of mind
Were never meant for me
All these
Pieces
And promises and left behinds
If only I could see
In my
Nothing
You were everything
Everything to me

 

Letra da autoria de Trent Reznor/Lyrics written by Trent Reznor


publicado por Ligeia Noire às 01:38

04
Abr 11


Tens?

Quero, preciso.

Vai ser duro, my little piggy needed something new.

No teu quarto ou na ponte?

Nothing can stop me now because I just don’t care anymore.

Sabes que esse é o estado mais perigoso, quando já não temos medo?

Ajuda-me, fodi o meu mundo, tenho as mãos sujas.

God is dead and no one cares

If there is a hell I'll see you there.

 E sabes disto tudo, prende-me o corpo e eleva-o.

-É o teu Deus que está morto?

-Sou um buraco negro nasci para apodrecer aquilo em que toco. Sou um ácaro, sou pele morta, sou um feto raquítico e escanzelado que só vive da fome.

-É justo, assaz justo. Custa-me olhar-te, esconde o coração, fecha as costelas.

Help me, I broke apart my insides 

Help me, I've got no soul to sell
Help me, the only thing that works for me
Help me to get away from myself

-Sabes o que vem a seguir?

-Estás muito vazia.

 -Coloca-me as mãos no pescoço e pressiona, entra e destrói. Uma, duas, três, dez vezes. Faz-me em ti e dá-me o copo gelado aos lábios, entorna-o e deixa-me em coma.

Rasga-me o peito, corta-me, prepara e doseia-me.

É tarde nunca foi cedo.

A vossa compreensão faz-me vomitar.

How did you get so big?

How did you get so strong?

How did you get so hard?

How did it get so long?

 -Como chegaste até aqui? Não gostas deles? Não ouviste as dores deles? Queres mesmo condenar-te?

-Olha para mim anjo do desterro.

-Toma e escolhe o que melhor te aprouver.

Foi disso que me apercebi, é isso que sou, e é isso que faço.

Asco, asco, asco.

Jamais quero ver isto sem ter os olhos baços.


All excerpts in this post are from Trent Reznor/ Todos os excertos contidos nest post são da autoria de Trent Reznor


publicado por Ligeia Noire às 20:59

10
Jan 11


E lá está a música a salvar-me aos bocadinhos, espera comigo e fica a chorar ao meu lado e choramos abraçadas. Assim de forma tão simples que é impossível entender.


She shines

in a world full of ugliness
She matters when everything is meaningless

Fragile
She doesn't see her beauty
She tries to get away
Sometimes
it's just that nothing seems worth saving
I can't watch her slip away

I won't let you fall apart

She reads the minds of all the people as they pass her by
hoping someone will see
if I could fix myseld I'd...


...but it's too late for me


I wont let you fall apart


We'll find the perfect place to go where we can run and hide

I'll build a wall and we can keep them on the other side

...but they keep waiting
...and picking...


It's something I have to do

(I wont let you fall apart)

I was there, too

(I wont let you fall apart)

before everyhting else

(I wont let you fall apart)

I was like you

(I wont let you fall apart)

  

Letra dos N.I.N./Lyrics by N.I.N.

publicado por Ligeia Noire às 23:20

06
Jan 11

 

Não consigo, há dias que estou a tentar mas não consigo.

Maldigo o dia em que voltaste porque, ao vislumbrar-te regressado, já te sabia na partida.

Demoro o tempo de inventar palavras para escrever isto porque precisava abrir um pouco o peito para respirar e está a revelar-se impossível.

Já só consigo fechar os olhos, a minha fome é a de adormecer porque o tempo está a passar, o tempo passa.

Não jaz em ti o pecado, sou eu, só eu.

Desculpas-me?

Não me faço sentido.

Não consigo, há muito, há tanto, há demasiado, dói, detesto.

E sei que enquanto não conseguir esconjurar-te, jamais irás embora.

E a minha fome de mim é tão grande que ainda acresceste aos coágulos.

Só quero que vás, para sempre, para sempre como:

Era uma vez, uma vez, uma e apenas uma, um momento, um tempo, dois fragmentados, e acabou. 

Preciso purgar-me, preciso fazer-me sentido.

Vejo dois atalhos:

-Resignação do acto de esperar pela vida

-Arrasamento massivo e abandono total

E, ó supremo, tu sabes… Vês daí a alma engelhada, negra e porosa?

Encher todos os interstícios com veneno lento e eloquência possessiva, com evasão progressiva.

Euforia de cruz pregada, dores nos pulsos sem vontade de cessar.

Não posso esperar que me tragam as respostas, elas têm de brotar daqui.

De dentro.

E como me custa subir e agarrar-me ao incerto, prevejo-me a renegar.

E tu, pelo qual iniciei este devaneio, tu foste o bode expiatório para a minha conclusão.

Não me dóis realmente, na verdade tu não existes.


Yes, I am alone, but then again I always was

As far back as I can tell, I think maybe it's because...

Because you were never really real to begin with
I just made you up to hurt myself


Foste a minha musa de descoberta do atalho para o desterro.

E só o foste porque eu gosto de ti, muito, e só quero que vás sem regressar jamais porque te sinto demasiado e porque as saudades cortam bocadinhos cada vez maiores.

E gosto de ti porque tu não existes e quero que assim prossiga.

Resta-me esperar pelo dia em que me aflorará toda a imprevidência e toda a coragem para destilar nas veias, a resposta para o desanuviamento.

Já nada me falta, tudo me recomenda.

Vislumbro em sonhos a gota grossa e felpuda a resvalar no copo.

E vai inundar o mundo de dentro e o de fora e eu terei a cabeça vazia e as mãos livres.

publicado por Ligeia Noire às 22:27

17
Nov 10


Kinda like a cloud, I was up way up in the sky and I was feeling some feelings you wouldn't believe

Sometimes, I don't believe them myself and I decided I was never coming down

Just then, a tiny little dot caught my eye it was just about too small to see

But I watched it way too long... it was pulling me down

I was up above it

Now I'm down in it


Well shut up so what? What the fuck does it matter now?

I was swimming in the haze now I crawl on the ground

And everything I never liked about you is kind of seeping into me

Try to laugh about it now but isn't it funny, how everything works out?

(I guess the joke's on me, she said).

 

I was up above it

Now I'm down in it

I used to be so big and strong

I used to know my right from wrong

I used to never be afraid

I used to be somebody

I used to have something inside

Now just this hole that's open wide

I used to want it all

I used to be somebody

 

I'll cross my heart, I'll hope to die but the needle's already in my eye

And all the fucking world's weight is on my back and I don't even know why...

What I used to think was me is just a fading memory

 

I looked him right in the eye and said goodbye

I was up above it

Now I'm down in it

(Rain, rain go away, come again some other day.)


Lyrics by Nine Inch Nails/Letra da autoria dos Nine Inch Nails


publicado por Ligeia Noire às 10:25

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Fotos
pesquisar
 
arquivos